APSA inicia obras na CASA GRANDE e apresenta livro Asperger no Feminino









APSA inicia obras na "CASA GRANDE" e apresenta livro "Asperger no Feminino"

A Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger (APSA) iniciou ontem, dia 20 de Julho, as obras de requalificação de um edifico do séc. XVII na Quinta da Granja, em Benfica. Este edifício, a CASA GRANDE, vai funcionar como um Centro de Actividades Ocupacionais e como Residência Autónoma para pessoas com Síndrome de Asperger (SA). Prevê-se que as obras estejam concluídas dentro de um ano e que o projecto arranque de imediato.

Em simultâneo, a APSA apresentou também, no Quiosque da CASA, o livro "Asperger no Feminino", escrito por Tony Attwood, psicólogo clínico e especialista em Síndrome de Asperger e que relata experiências na primeira pessoa que permitem compreender mais facilmente a síndrome no feminino. Este é o sétimo livro sobre a SA traduzido e editado pela APSA. 
A venda do livro reverte para reconstrução da CASA GRANDE e pode ser adquirido através da APSA, na FNAC, em livrarias como por exemplo a Babel e em diversos espaços comerciais. O livro custa 18€. 

O Projecto da "CASA GRANDE" será um espaço de formação, de treino de competências sociais e de emprego temporário favorecendo a integração social e profissional. Os objectivos do projecto passam também por facilitar a satisfação das necessidades básicas e actividades diárias, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida das pessoas com SA e suas famílias e assegurar serviços de apoio à comunidade circundante, garantindo a auto-sustentabilidade do projecto. 

Após a reabilitação e adaptação do edifício, a aquisição do equipamento e apetrechamento da casa vão realizar-se acções de formação e a selecção e recrutamento de monitores e de pessoas com SA que vão estar responsáveis pela prestação de serviços de apoio à comunidade. A identificação de pessoas com SA, o levantamento de necessidades, diagnóstico de intervenção e elaboração do Plano Individual de Cuidados são também tarefas prioritárias do projecto.

No futuro, quando o edifício estiver preparado, deverá acolher também diversos serviços de forma a tornar o projecto sustentável. A organização do espaço Ágora com equipamento informático e acesso à internet para estudantes, serviços de reprografia, impressão e multimédia, lavandaria, engomadoria e arranjos de costura bem como a abertura e funcionamento duma cafetaria, de uma cozinha e um quiosque, já em funcionamento, são os principais serviços a implantar e a disponibilizar à comunidade pela "CASA GRANDE".

Piedade Líbano Monteiro, presidente da APSA refere: "a principal prioridade da APSA neste momento é contribuir para a formação e inserção na vida activa de pessoas com SA, promovendo a sua autonomia e tornando-os responsáveis pela construção do seu projecto de vida. Ao mesmo tempo pretendemos dar respostas sociais de apoio às famílias de forma a evitar processos de exclusão e a facilitar o acesso a condições para uma vida mais digna."

Acrescenta ainda: "existe um número significativo de jovens com SA que abandona a escola a partir dos 16 anos e é nesse momento que surgem os primeiros problemas de inserção na vida activa. Embora a legislação portuguesa contemple a possibilidade de recurso a emprego protegido, na prática não se verifica e isso gera expectativas nos portadores e também incertezas nos seus familiares quanto ao seu futuro. A "CASA GRANDE" pretende ser uma ajuda nesta questão e sobretudo permitir uma vida com qualidade e dignidade."

A "CASA GRANDE" irá acolher pessoas com SA de ambos os sexos, com idades a partir dos 16 anos e com habilitações literárias a partir do 9º ano de escolaridade. Indirectamente este projecto pretende ainda beneficiar os familiares das pessoas com SA, estudantes universitários e a comunidade residente circundante à Quinta da Granja, em Benfica. A implantação deste projecto vai permitir a contratação de 18 técnicos e auxiliares.

Ajudar a reconstruir a CASA GRANDE e contribuir para a formação e integração das pessoas com SA na comunidade é possível através da realização e donativos. Esta ajuda pode ser realizada através da emissão de cheque à ordem de Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger, vale de correio, de transferência bancária para o NIB Banco Millennium BCP: 0033 0000 453717070300 5 ou ainda apoiando com materiais que serão necessários para a sua reabilitação/construção.

A iniciativa conta com o apoio de particulares e de um conjunto de mecenas, a saber: 

 
De referir ainda o apoio das seguintes entidades:
  • CML – Câmara Municipal de Lisboa

De destacar o ápio desta entidade em primeiro lugar pela cedência do edifício e depois pelo empenhamento pessoal e confiança demonstrados por parte do Vereador Sá Fernandes e sua equipa, nomeadamente, a Dra. Maria José Marreiros (Gabinete Jurídico) e a Arq. Sofia Andrade, responsável pelo projecto de arquitectura da reabilitação do edifício, sob a direcção do Arq. João Castro.

  • Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Professor Caldeira Cabral
Sobre a Síndrome de Asperger:  Incentivos concedidos no âmbito dos Fundos Estruturais e pelo Estado Português


Gabinete responsável pela elaboração do projecto de Arquitectura Paisagista.
A Síndrome de Asperger é uma perturbação neurocomportamental de base genética, que pode ser definida como uma perturbação do desenvolvimento que se manifesta por alterações sobretudo na interacção social, na comunicação e no comportamento. Embora seja uma disfunção com origem num funcionamento cerebral particular, não existe marcador biológico, pelo que o diagnóstico se baseia num conjunto de critérios comportamentais.
Entre as características mais comuns podemos destacar: o défice de comportamento social, interesses limitados, comportamentos rotineiros, peculiaridade do discurso e da linguagem, perturbação na comunicação não verbal e descoordenação motora. Como consequência destas dificuldades as pessoas com SA acabam por se isolar e limitar os seus interesses a determinados temas, atitude que prejudica ainda mais a sua relação com o outro. Calcula-se que em Portugal existam cerca de 40.000 pessoas com Asperger afectando maioritariamente os rapazes. O diagnóstico precoce é essencial para proporcionar aos portadores, os recursos necessários a que têm direito e que lhes permitam atingir o seu potencial.

Sobre a APSA:
A Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), sem fins lucrativos que nasceu a 7 de Novembro de 2003 por vontade de um grupo de pais. A missão da APSA é a promoção do apoio e da integração social das pessoas com SA de forma a favorecer as condições necessárias para uma vida autónoma e mais digna.
No âmbito das suas actividades a APSA pretende ser uma organização de referência nacional nas respostas adequadas às necessidades e expectativas das pessoas com SA e das suas famílias. Pretende contribuir para a construção de uma sociedade integrante da diferença e em que as pessoas com Síndrome de Asperger tenham igualdade de oportunidades e se sintam aceites, respeitadas e realizadas.