R.A.P. no Brasil

A editora portuguesa Tinta-da-China publicará no Brasil uma selecção de crónicas de Ricardo Araújo Pereira
 
Em Março, sairá o primeiro livro da Tinta-da-China no Brasil: uma selecção de crónicas do Ricardo Araújo Pereira. O humorista é um dos convidados internacionais - juntamente com Terry Jones, dos Monty Python -, da próxima edição do Festival Risadaria, em São Paulo, o festival de humor mais importante da América Latina. "É uma oportunidade de lançar um autor que sabemos que é muito bom e que não é conhecido no Brasil. Fizemos uma selecção, que fizesse sentido para o público brasileiro, dos vários livros de crónicas dele e de algumas publicadas na Visão mas que ainda não saíram em livro.", disse a editora Bárbara Bulhosa.

A seguir, em Abril/Maio, será publicado o romance O Retorno, de Dulce Maria Cardoso, que tem o seu primeiro romance publicado na Companhia das Letras mas o resto da obra não está editada no Brasil. Em Agosto, será a vez de a Tinta-da-China brasileira lançar E a Noite Roda, romance de estreia de Alexandra Lucas Coelho, correspondente do PÚBLICO no Brasil, que sairá em Portugal em Março. É a história de Ana e Léon, uma catalã e um belga que se conhecem em Jerusalém e ao longo de dois anos vivem uma paixão intermitente, do Médio Oriente à América, passando por vários lugares da Europa. O fotógrafo Daniel Blaufuks, que no ano passado expôs no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, também verá o seu próximo livro editado naquele país. "O conceito Tinta-da-China mantém-se, não vou fazer uma coisa diferente no Brasil. Mas já estou a receber manuscritos, vou abrir a autores brasileiros", explica. É o caso do primeiro livro da colecção infantil, a editar simultaneamente em Portugal e no Brasil, da escritora brasileira Tatiana Salem Levy (autora de A Chave de Casa e Dois Rios). Haverá traduções da colecção de viagens e de humor. Apesar de partilharmos a mesma língua, "tudo o que for ensaio ou tradução vamos adaptar, tudo o que for literatura vamos publicar exactamente como publicamos aqui", acrescenta.
 
Fonte: http://ipsilon.publico.pt/