20% dos portugueses sofre de depressão

Campanha nacional sobre Depressão
teve início com um paint mob que juntou centenas de pessoas em Lisboa


A campanha nacional "Saia do escuro. A depressão tem tratamento" teve início com um paint mob por várias cidades nacionais. Contando com o apoio de várias sociedades científicas, associações de doentes e câmaras municipais, esta nova campanha engloba várias iniciativas relacionadas com uma patologia que afeta atualmente 20% da população portuguesa(1). A campanha pode ser acompanhada pelo portal www.saiadoescuro.pt.



A depressão é uma das doenças psiquiátricas mais comuns na nossa sociedade, sendo que cerca de 20% dos portugueses sofrem desta patologia(1). Com o objetivo de alertar e esclarecer para os diversos tipos de depressão e salientar que esta doença tem tratamento, a Lilly apresentou em Lisboa a campanha «Saia do Escuro. A depressão tem tratamento» que contou com o apoio da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental, Associação Portuguesa de Psiquiatria Biológica, Associação Portuguesa de Gerontopsiquiatria, Associação de Apoio aos Doentes Depressivos e Bipolares e associação Encontrar-se.

Esta ação arrancou com um paint mob, a 1 de Outubro – Dia Europeu da Depressão -, que decorreu em simultâneo em várias cidades nacionais - Lisboa, Matosinhos, Coimbra, Évora e Faro – numa iniciativa que contou com a cooperação de todas a câmaras municipais das respetivas cidades envolvidas nesta ação.

Foram centenas as pessoas que se juntaram em Lisboa (Parque das Nações) para "ajudar a combater" a depressão, onde 7 litros de tinta serviram para colorir o muro onde estavam inscritos, a preto e branco, os principais sintomas da depressão. Sempre com um único objetivo: dar cor ao cenário negro representado pela depressão. 

Manifestando-se de forma diferente de pessoa para pessoa, a depressão não escolhe idade nem género, apresentando-se em várias dimensões ao nível dos sintomas emocionais, físicos e físicos dolorosos. Tristeza, desinteresse, falta de apetite, cansaço, falta de energia, insónia ou dores musculares e de costas, são alguns dos sintomas da depressão que não devem ser desvalorizados.

António Palha, presidente da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental (SPPSM), revela que «a depressão é um flagelo que atinge cada vez mais portugueses como mostrou o estudo epidemiológico apresentado há dois anos onde se salienta a alta prevalência da depressão. A campanha «Saia do escuro. A depressão tem tratamento» dentro da perspetiva psicoeducativa, pode ajudar aqueles que sofrem de depressão a perceberem que esta é uma doença tratável e que se os doentes forem bem acompanhados podem ter de facto uma melhor qualidade de vida.»

Neste sentido, o presidente da SPPSM diz que «este tipo de campanhas são de grande importância já que ajudam os doentes e as suas famílias a perceberem melhor o que é a depressão e como lidar com esta patologia, fazendo-os sentir que podem estar apoiados na doença. Por outro lado, é igualmente necessário, nos dias de hoje, a divulgação e identificação dos sintomas e, também, o respetivo tratamento.»

João Relvas, presidente da Associação Portuguesa de Psiquiatria Biológica, explica que a compreensão da depressão passa pelo entendimento da interação de diferentes fatores biológicos, psicológicos, culturais e sociais e dos seus efeitos recíprocos. «De uma maneira geral o grande público desconhece estes aspetos estando muitas vezes a depressão associada a "fraqueza de carácter", falta de "força de vontade" e outros mitos que tendem a promover falsos conceitos e uma visão estereotipada que favorece a estigmatização da doença psiquiátrica em geral e da depressão em particular.»

Por outro lado, o médico destaca também que é importante dar a conhecer as diversas possibilidades de tratamento, mostrando que a remissão é possível. «O tratamento deve ser feito depois de uma avaliação clínica correta. A terapêutica pode ter várias vertentes, das quais as principais são as medicações psicofarmacológicas e as psicoterapias, em particular a psicoterapia cognitivo-comportamental. Atualmente, a ênfase do tratamento é colocada na remissão e recuperação do episódio depressivo atual e na prevenção das recaídas e recorrências futuras. Os antidepressivos têm um papel importante nesta estratégia terapêutica, devido aos seus menores efeitos secundários e a uma maior aceitação e adesão por parte dos doentes.»

No idoso a depressão é também uma realidade, estando muitas vezes associada a casos de suicídio. Lia Fernandes, presidente da Associação Portuguesa de Gerontopsiquiatria, confirma que «a depressão é ainda o problema de saúde mental, mais frequentemente ligado ao suicídio na idade avançada. Contudo, nem todos os idosos que se suicidam estão deprimidos, e nem todos os deprimidos se suicidam. Apesar disto, detetar precocemente e tratar a depressão ajuda a reduzir o risco individual de suicídio. De facto, entre as causas mais frequentes de suicídio nos idosos em Portugal, destacam-se sobretudo as doenças físicas, institucionalização, viuvez, baixo suporte social e doenças psiquiátricas (depressão e alcoolismo). Só assim se compreende que o suicídio seja atualmente uma realidade em crescimento, nos mais velhos (correspondendo a ¼ do total de suicídios do país).»

Para Delfim Oliveira, presidente da Associação de Apoio aos Doente Depressivos e Bipolares (ADEB), «a doença depressiva pode ter graves consequências na qualidade de vida da pessoa, particularmente nos casos em que não é tratada adequadamente. Assim, ações como a campanha «Saia do escuro. A depressão tem tratamento» têm a capacidade de sensibilizar a população para a gravidade que a depressão tem no quotidiano dos doentes e, ao ser percebida como doença, criar maior recetividade para os tratamentos, por serem eficazes e melhor tolerados, que possibilitam mais ganhos de saúde e consequentemente maior qualidade de vida.»

Na opinião de Filipa Palha, presidente da Encontrar-se, o negativismo associado à depressão é um dos principais problemas relacionados com a área da saúde mental. Neste sentido é fundamental ter uma atitude positiva de procurar ajuda e encarar a doença com normalidade: «o estigma associado à doença mental ainda é um dos maiores obstáculos à promoção da saúde mental. Desta forma é fundamental combater todos os preconceitos e negativismo associados a problemas mentais e encará-los como qualquer outro tipo de problema de saúde. Aceitando sem vergonha, procurando ajuda e tratamento. Infelizmente, os doentes depressivos ainda têm receio de serem rejeitados, rotulados, discriminados, não respeitados. Poucas pessoas têm a coragem de partilhar as suas experiências, de demonstrar que não perderam a sua identidade e que, apesar de tudo, continuam o seu percurso de vida dentro da normalidade.»