A doença rara que inspira vilões de Hollywood


Acromegalia – 30 novos casos por ano em Portugal


A Acromegalia é uma doença rara, de difícil diagnóstico, com maior incidência em mulheres (70%)1. Enquadrada nas doenças raras e com uma prevalência de 593 casos em Portugal1, a Acromegalia altera o aspeto físico dos doentes, fator que leva a ser uma fonte de inspiração para figuras carismáticas do cinema.

“Os sintomas da Acromegalia passam pelo crescimento do esqueleto e tecidos moles e por alterações metabólicas. São sinais visíveis a “olho nu” pelo facto do rosto sofrer alterações um pouco grotescas e dar-se um crescimento anormal dos pés e das mãos”, elucida Alberto Galvão-Teles, Endocrinologista e Presidente do Núcleo de Endocrinologia Diabetes e Obesidade (NEDO).

A Acromegalia é uma doença endócrina de evolução insidiosa, lenta e progressiva. Este facto leva a um diagnóstico difícil e tardio (em média entre 8 a a10 anos). Na maioria dos casos, nem doentes, nem familiares, percebem as alterações causadas pela Acromegalia, devido à sua lenta evolução. O diagnóstico é, muitas vezes, feito através da observação do aumento do tamanho dos anéis e dos sapatos.

“Diagnosticar a Acromegalia é uma tarefa difícil, mas é essencial que a doença seja diagnosticada precocemente. O diagnóstico é determinante para a vida do doente, pois é uma patologia que pode ser mortal” explica o especialista.

A Acromegalia costuma ser acompanhada por um leque de outras doenças, como a diabetes mellitus, a hipertensão arterial, o risco aumentado de outras doenças cardiovasculares e o aumentado risco de aparecimento de pólipos no cólon, que podem evoluir para cancro.

Atualmente existem tratamentos que permitem controlar a evolução desta patologia, fazendo com que os doentes possam ter uma vida normal, evitando o impacto psicológico decorrente das alterações evidentes no corpo, bem como das modificações metabólicas que afetam a sua esperança de vida. Um doente com Acromegalia, quando tratado, tem uma esperança média de vida normal.


A Acromegalia vai estar em destaque no dia 1 de Dezembro, com a realização do “8º Curso Avançado de Acromegalia e Problemas de Hipófise”, organizado pelo NEDO, em parceria com a Novartis Oncology. “Trata-se de um curso dirigido à comunidade médica, com o objetivo de esclarecer os vários aspectos relativos a esta doença de diagnóstico geralmente tardio e de discutir novas possibilidades terapêuticas”, conclui o Presidente do NEDO.