Mofo nas habitações aumenta ataques de asma e alergias graves

Problema agrava-se no Outono e Inverno

Elevados níveis de exposição aos fungos, que formam o mofo nas paredes e tetos das divisões das casas ou outros locais com humidade, podem desencadear ataques de asma e alergias graves.
“A exposição aos fungos pode, em pessoas sensibilizadas, causar falta de ar e tosse persistente, entre outros sintomas, e aumentar cerca de três vezes o risco de asma em crianças predispostas”, explica João Fonseca, Coordenador da Unidade de Imunoalergologia do hospitalcuf porto e institutocuf.
O especialista acrescenta ainda: “Com o frio, existe uma tendência para aumentar a temperatura nas casas, através do recurso a aquecedores, existindo uma falta de ventilação, uma vez que as janelas pouco se abrem. Estas condições são favoráveis ao aumento de fungos e também de ácaros o que aumenta o risco de sintomas e de crises quer de asma, quer de rinite”.
Espirros, pingo no nariz e comichão no nariz ou na pele são outros sintomas de alergia comuns no Inverno.
A Unidade de Imunoalergologia do hospitalcuf porto compreende sectores de consulta, exames de diagnóstico e hospital de dia. Juntamente com a Unidade de Imunoalergologia do institutocuf realiza todos os procedimentos de diagnóstico e tratamento da especialidade e está vocacionada para a realização de investigação clínica. Agrega 12 especialistas em Imunoalergologia, o maior grupo da região norte, e disponibiliza uma observação diferenciada e sem lista de espera, de segunda-feira a sábado.