Orquestra Gulbenkian pela primeira vez com Karina Gauvin e direção musical de Massimo Mazzeo


25 de outubro, Palácio de Queluz
Orquestra Gulbenkian pela primeira vez com Karina Gauvin e direção musical de Massimo Mazzeo

- Concerto de encerramento da Temporada de Música no Palácio de Queluz
- Soprano Karina Gauvin (nomeada para os Grammy Awards) pela 1ª vez em Portugal
- Massimo Mazzeo dirige pela primeira vez a Orquestra Gulbenkian

 

à Vídeo Risto Nieminen (Diretor do Serviço de Música da Fundação Calouste Gulbenkian): www.youtube.com/watch?v=LiQD2RVxITg


Sintra, 20 de outubro de 2014 – A Orquestra Gulbenkian atua, pela primeira vez, sob direção musical de Massimo Mazzeo, com a participação da conceituada soprano canadiana Karina Gauvin, no dia 25 de outubro, no Palácio de Queluz, no concerto de encerramento da Temporada de Música Tempestade e Galanterie.

O programa deste concerto inclui as sinfonias n.º 1 de J. D. Bomtempo, n.º 104 de F. J. Haydn, a ária de concerto "Voi avete un cor fedele, K. 217" e a cena e ária "Misera, dove son!, K. 369", ambas de W. A. Mozart.

Reconhecida pelo seu trabalho no domínio do barroco, a soprano canadiana Karina Gauvin agora pela primeira vez em Portugal, interpreta com sucesso um vasto repertório desde Bach até à música dos séculos XX e XXI. Entre as muitas distinções que recebeu destacam-se o título de "Soloist of the Year" concedido pela Communauté Internationale des Radios Publiques de Langue Française, o primeiro prémio na CBC Radio Competition for Young Performers, o Virginia Parker Prize e o Maggie Teyte Memorial Prize em Londres. As suas atuações com a orquestra do Festival de Música Antiga de Boston mereceram-lhe a nomeação para os prémios Grammy em 2007 e 2009.

Regular divulgador do património musical português dos séculos XVIII e XIX, Massimo Mazzeo estreia-se à frente da Orquestra Gulbenkian, proporcionando um concerto centrado na música do período clássico.
Segundo Risto Nieminen, Diretor do Serviço de Música da Fundação Calouste Gulbenkian, "O facto de podermos encerrar a primeira Temporada em Queluz é uma grande honra para a nossa orquestra. Esta é uma Temporada de grande qualidade e acho interessante e importante o facto de ser uma Temporada com especialistas reconhecidos internacionalmente, que são uma referência para os agrupamentos e solistas portugueses".

O concerto tem um preço entre 20 Euros (adultos) e 10 Euros (estudantes), e os bilhetes podem ser adquiridos nas bilheteiras da Parques de Sintra, online na Blueticket, bem como na FNAC, Worten, El Corte Inglés, MEO Arena, Media Markt e Postos de Turismo Aeroporto e Pç. Do Comércio.

O Ciclo do Outono é um evento organizado pela Parques de Sintra em parceria com o Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal (CEMSP), que tem direção artística de Massimo Mazzeo. Depois do Ciclo de Carnaval, que teve lugar em março, é agora vez do Ciclo de Outono trazer grandes nomes da música nacional e internacional em cinco concertos no Palácio Nacional de Queluz. Desta vez o destaque é dado aos agrupamentos: duos, trios e orquestras.


Orquestra Gulbenkian
Massimo Mazzeo, direção musical
Karina Gauvin, soprano
F. J. Haydn, W.A. Mozart, J.D. Bomtempo
Preço: 20€ adulto, 10€ estudante

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

INFORMAÇÕES (PÚBLICO):

BILHETES:
À venda nas bilheteiras da Parques de Sintra, online em www.blueticket.pt e na FNAC, Worten, El Corte Inglés, MEO Arena, Media Markt e Postos de Turismo Aeroporto e Pç. Do Comércio.
Passe para o Ciclo de Outono: 60 Euros
Nota: para o concerto do dia 10 de outubro, a entrada é gratuita, de acordo com a capacidade da sala (levantamento de bilhetes no próprio dia)

                                                                  
Sobre o Palácio Nacional de Queluz
O Palácio Nacional de Queluz e os seus jardins históricos constituem um exemplo marcante da ligação harmoniosa entre paisagem e arquitetura palaciana em Portugal. Ilustram a evolução do gosto da Corte nos séculos XVIII e XIX, período marcado pelo barroco, o rococó e o neoclassicismo. Mandado construir em 1747 pelo futuro D. Pedro III, consorte de D. Maria I, o Palácio Nacional de Queluz foi inicialmente concebido como residência de verão, tornando-se espaço privilegiado de lazer e entretenimento da Família Real, que o habitou em permanência de 1794 até à partida para o Brasil, em 1807, na sequência das invasões francesas.

Sobre o Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal
O Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal, com sede nas instalações do Palácio Nacional de Queluz, tem como objetivo principal a promoção e divulgação do património musical associado ao Palácio de Queluz, no qual a música ocupou desde sempre um papel central, e onde foram apresentadas dezenas de serenatas e óperas. Serão realizados, nas salas do Palácio, concertos, eventos, conferências, simpósios e colóquios, assim como masterclasses e outras iniciativas que se propõem estudar e recuperar o tempo e a tradição de grandes acontecimentos musicais da época da permanência da Família Real no Palácio de Queluz, contribuindo em simultâneo para a fruição pública de uma programação musical de qualidade e para a afirmação do Palácio como referência incontornável da nossa herança cultural. 

Sobre a Parques de Sintra - Monte da Lua

A Parques de Sintra - Monte da Lua, S.A. (PSML) é uma empresa de capitais exclusivamente públicos, criada em 2000, no seguimento da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade. A sua criação teve como objetivo reunir as instituições com responsabilidade na salvaguarda e valorização da Paisagem Cultural de Sintra, e o Estado Português entregou-lhe a gestão das suas principais propriedades na zona. Não recorre ao Orçamento do Estado, pelo que a recuperação e manutenção do património que gere são asseguradas pelas receitas de bilheteiras, lojas, cafetarias e aluguer de espaços para eventos.
Em 2013, os valores naturais e culturais que a PSML gere (Parque e Palácio da Pena, Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz, Chalet da Condessa d'Edla, Castelo dos Mouros, Palácio e Jardins de Monserrate, Convento dos Capuchos, e Escola Portuguesa de Arte Equestre) receberam aproximadamente 1.700.000 visitas, mais de 90% das quais por parte de estrangeiros.
São acionistas da PSML o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, a Direção Geral do Tesouro e Finanças (que representa o Estado), o Turismo de Portugal e a Câmara Municipal de Sintra.


Parques de Sintra - Monte da Lua, S.A.
Parque de Monserrate 2710-405 Sintra