Castelo dos Mouros com novo Centro de Interpretação e musealização do Campo de Investigação Arqueológica



- Exposição de achados do Período Neolítico à Idade Média
- Maquete e vídeo apoiam na compreensão do Castelo
- Plataformas protegem sepulturas de ritual cristão e forno e silos do bairro islâmico

A Parques de Sintra inaugura amanhã (10 de março) o Centro de Interpretação da História do Castelo dos Mouros, bem como a musealização do Campo de Investigação Arqueológica, ambos integrados no projeto global "À Conquista do Castelo".

No que respeita ao Centro de Interpretação da História do Castelo dos Mouros, a solução arquitetónica seguiu a linguagem do projeto global ao eleger o aço, o vidro e a madeira de acácia como materiais, reproduzindo a volumetria que se pensa ser a original através de uma estrutura reversível que não apoia nas paredes.

No interior deste espaço foram instaladas vitrinas em aço e vidro, desenhadas para garantir a segurança e conservação das peças. Um dado em osso, uma queijeira, uma chave, uma panela, machados de pedra polida ou moedas portuguesas e espanholas, são algumas das peças que poderão ser vistas e que têm origem desde o Período Neolítico, de 5.000 A.C., até à Idade Média, do séc. X ao XII.

Também no interior encontra-se uma maquete do Castelo dos Mouros e da sua envolvente, um vídeo com a História do local e vários tablets com informação multimédia interativa detalhada sobre as peças de cada período e em vários idiomas, que permitirão aos visitantes saber mais sobre este monumento.

No que respeita à musealização do Campo de Investigação Arqueológica, foram implantadas duas plataformas em aço, vidro e madeira de acácia (proveniente de limpezas florestais na Serra de Sintra), para proteger as estruturas de forno e silos do bairro islâmico (séc. X-XII), bem como as sepulturas de ritual cristão (séc. XII-XIV), postas a descoberto na encosta nascente do Castelo, permitindo aos visitantes a sua observação e interpretação. Na plataforma adjacente à muralha, foi protegida parte da fundação de uma habitação muçulmana e dois silos geminados com cerca de 3 metros de profundidade.

Dados arqueológicos e históricos
Os dados arqueológicos recolhidos nos trabalhos realizados entre 2009 e 2012 revelaram uma intensa ocupação da área do Castelo em época cristã (séc. XII-XIV), identificada através da escavação da necrópole da Igreja, na qual se encontraram 33 sepulturas com mais do que um indivíduo sepultado no mesmo espaço, bem como uma extensa ocupação muçulmana (séc. X-XII), evidenciada por vários alicerces de habitações e silos para conservação de cereais.

Por entre os vestígios medievais descobertos recolheram-se numerosos artefactos de cronologia neolítica, sendo um dos achados mais relevantes um vaso completo típico das produções do V milénio a.C., juntamente com outros artefactos de cronologia proto-histórica, como cerâmica campaniforme (c. 3000 a.C.) e cerâmica típica dos contextos do Bronze Final (c. 1300 a.C.).

Após as intensas ocupações humanas comprovadas através dos artefactos arqueológicos recolhidos, o Castelo teve um novo momento áureo com a grande intervenção efetuada por D. Fernando II, na década de 40 do século XIX. Esta englobou as obras de recuperação das ruínas do Castelo e a enorme campanha de reflorestação da serra, dando origem à paisagem atual.

O projeto "À Conquista do Castelo"
O projeto "À Conquista do Castelo" implicou um investimento de 3,2 milhões de euros, cofinanciado em 600 mil euros pelo Programa de Intervenção do Turismo (PIT) e, no remanescente, pela Parques de Sintra.

Contemplou a instalação de um novo Centro de Apoio ao Visitante, o restauro das muralhas, a recuperação da envolvente paisagística, a adaptação da Casa de Guarda a cafetaria e instalações sanitárias e a renovação total das infraestruturas. Na cavalariça Norte foram colocados pontos multimédia para apoio à visita e identificação das estruturas arqueológicas. A par destas intervenções foram revistos a sinalética, os portões e gradeamentos e o mobiliário de exterior.

As obras incluíram o restauro e abertura da Cisterna e a adaptação da Igreja de S. Pedro de Canaferrim a Centro de Interpretação da História do Castelo, através da implementação de um projeto de arquitetura e restauro das paredes e da pintura mural da abside.

Os trabalhos arqueológicos tiveram início em 2009 nas zonas de implantação dos novos equipamentos, abrangendo depois outras áreas para alargar, integrar e aprofundar estudos anteriores. Trabalhos realizados em 1981, 1993-1995 e 1998-2000 possibilitaram a identificação de uma ocupação neolítica, de parte da necrópole da Igreja de São Pedro de Canaferrim e de estruturas de uma habitação muçulmana. Estas campanhas permitiram conhecer melhor as ocupações humanas do Castelo, as suas fases construtivas e os espaços de vivência.


Sobre a Parques de Sintra - Monte da Lua

A Parques de Sintra - Monte da Lua, S.A. (PSML) é uma empresa de capitais exclusivamente públicos, criada em 2000, no seguimento da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade. Não recorre ao Orçamento do Estado, pelo que a recuperação e manutenção do património que gere são asseguradas pelas receitas de bilheteiras, lojas, cafetarias e aluguer de espaços para eventos.
Em 2014, as áreas sob gestão da PSML (Parque e Palácio Nacional da Pena, Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz, Chalet da Condessa d'Edla, Castelo dos Mouros, Palácio e Jardins de Monserrate, Convento dos Capuchos e Escola Portuguesa de Arte Equestre) receberam aproximadamente 1.928.000 visitas, cerca de 86% das quais por parte de estrangeiros. Recebeu, em 2013 e 2014, o World Travel Award para Melhor Empresa em Conservação.
São acionistas da PSML a Direção Geral do Tesouro e Finanças (que representa o Estado), o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, o Turismo de Portugal e a Câmara Municipal de Sintra.



Parques de Sintra - Monte da Lua, S.A.
Parque de Monserrate 2710-405 Sintra
Pense Sintra, não imprima este email


Sem comentários:

Download do Livro Alimentação Inteligente