Técnica minimamente invasiva evita cirurgia em idosos operados ao coração com problemas na válvula aórtica







No âmbito do Dia Mundial Dos Avós que se celebra a 26 de julho:



Milhares de Portugueses são operados anualmente ao coração. Muitos deles, ao fim de algumas décadas, enfrentam a necessidade de uma segunda intervenção e estão a ser adotadas técnicas de vanguarda para evitar as reoperações. O anúncio é da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) da Sociedade Portuguesa de Cardiologia e surge no âmbito do Dia Mundial dos Avós que se celebra a 26 de julho.

Em Portugal, todos os anos, cerca de 2500 idosos são operados ao coração devido à estenose aórtica, a doença cardíaca mais comum entre os avós e que se caracteriza por um desgaste da válvula aórtica. O tratamento da estenose aórtica passa por um implante de uma válvula nova através de cirurgia de peito aberto ou, de forma menos invasiva, de um implante percutâneo, que permite a colocação da válvula cardíaca por uma incisão de meio centímetro.
De acordo com Rui Campante Teles, cardiologista de intervenção e Presidente da APIC, "nos últimos anos, este número de intervenções tem vindo a crescer, já que com o aumento da esperança média de vida, muitos destes doentes ao fim de uma ou duas décadas têm que enfrentar uma segunda intervenção de substituição da válvula artificial degenerada."
E acrescenta: "em Portugal, esta intervenção é atualmente feita por via minimamente invasiva com menor risco para os doentes e com uma recuperação mais rápida. Só em 2015, uma em cada vinte intervenções por via percutânea deveu-se precisamente a uma substituição de uma válvula artificial degenerada, com resultados muito bons para os doentes, que veem assim recuperada a sua qualidade de vida".
A estenose aórtica é uma doença que se caracteriza pelo aperto da válvula aórtica, cuja função é evitar que o sangue bombeado pelo coração volte para trás. Quando existe este estrangulamento o sangue passa com dificuldade, provocando cansaço, dor no peito e desmaios.
Em todo o mundo, mais de 300 mil pessoas sofrem de estenose aórtica grave e, em Portugal, esta patologia atinge 30 mil pessoas.
As melhorias produzidas pelos medicamentos são muito limitadas e não evitam as complicações mais graves provocadas pela exaustão cardíaca que, após os primeiros sintomas e nos apertos de alto grau, conduz à morte de metade dos doentes no primeiro ano. O tratamento é feito por isso através do implante da válvula aórtica através de cirurgia aberta ou por cateterismo.
Em Portugal, o tratamento das válvulas por cateterismo (o implante percutâneo da válvula), está a aumentar muito, acompanhando o panorama mundial. Este método permite o implante de uma válvula cardíaca através de um pequeno tubo que é introduzido na artéria, não sendo necessário a abertura da caixa torácica, facilitando muito a recuperação e diminuindo o risco.